Como lidar com a depressão.

Guia prático para familiares e pacientes que sofrem de depressão.

Melancolia e depressão são doenças comuns e frequentemente não identificadas, que só tarde demais são levadas a sério. As depressões aparecem em todas as fases da vida, da juventude à velhice. Afetam mais as mulheres do que os homens.

Em muitos casos, esse transtorno psíquico é tratado de forma inadequada ou incorreta. As consequências são sofrimento, cronificação, perda da qualidade de vida e outras doenças que podem surgir em decorrência da depressão, até mesmo redução da expectativa de vida. No entanto, existem possibilidades de tratamentos úteis e bem-sucedidos.

Este guia pretende esclarecer às pessoas deprimidas e seus familiares sobre as queixas e os sintomas, a evolução, as causas e as possibilidades de tratamento da depressão. Serão apresentadas algumas sugestões de autoajuda para o acompanhamento e, sobretudo, para a prevenção desse transtorno.

Depressão: o que é?

Nem todo estado de tristeza deve ser considerado depressão. Pensamentos tristes fazem parte do dia a dia e logo desaparecem. Uma decepção é reprimida depois de alguns dias por novas experiências, o tempo cura as feridas. O luto pela perda ou morte de uma pessoa próxima e querida é normalmente profundo e dura muito tempo, muitas vezes um ano inteiro. No entanto, podemos predizer que o humor quase sempre melhora. Essa sensação de tristeza, mesmo quando instalada de forma tão profunda por um breve tempo, não é considerada doença.

O abatimento, a melancolia ou as “depressões” modernas são transtornos freqüentes e consideradas doenças sérias que atingem a pessoa por inteiro, influenciando tanto as faculdades mentais quanto as físicas.

As alterações psíquicas atingem, sobretudo, o plano afetivo. Os sentimentos positivos – como alegria, desejo, energia, interesse, satisfação e relaxamento – ou inexistem ou aparecem apenas em segundo plano. Os sentimentos negativos, desagradáveis e dolorosos, determinam a vida em grau desmedido. Dentre tais sentimentos negativos estão o desânimo, a tristeza, o medo, a amargura, o sentimento de solidão, a impotência e a desesperança. Eles alternam-se com fases de exaustão, abatimento e sensação de vazio, fazendo com que as pessoas afetadas se sintam “enclausuradas”, isoladas e como se estivessem mortas internamente.

A depressão também influencia o desempenho, o pensamento, a memória e o discernimento. Quem sofre dessa doença queixa-se de falta de concentração, lapsos de memória e problemas de registrar acontecimentos.